20 de abril de 2006

"Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito
Exijo respeito, não sou mais um sonhador
Chego a mudar de calçada
Quando aparece uma flor
E dou risada do grande amor
Mentira"
(Chico Buarque)

17 de abril de 2006

agora...meu sorriso
é farsa,
meu silêncio
falso,
meu amor
amargo,
não como o chocolate...

16 de abril de 2006

"A vida é agora,
No velho albergue da Terra,
E cada um num quarto
E numa história,
De manhãs mais leves
E céus de esperança imaginada
E de silêncios de escutar,
E te surpreenderás a cantar,
Mas sem saber por quê
A vida é agora,
Nas tardes frescas
Que te vem o sono
E os sinos girando as nuvens,
E chove sobre os cabelos
E nas mesinhas dos cafés ao ar livre,
E te perguntas incerto: quem você é,
Quem? Quem?
É você que empurra para frente o coração
E o trabalho duro
De ser gente e não saber
O que será o futuro;
É você no tempo que nos faz maiores
E sozinhos no meio do mundo,
Com a ânsia de procurar juntos
Um bem mais profundo
E um outro que te dê descanso
E que se curve pra você
Esperando que você peça mais,
Sem entender o que é,
E tu, que me flerta,
Nesse instante imenso,
Acima do barulho das pessoas,
Me diga se isto tem um sentido;
A vida é agora,
No ar suave de uma sesta,
São rostos de crianças
Contra as vidraças,
E os prados que se esfregam como gatinhos,
E estrelas que se juntam nas luminárias,
Milhões,
Enquanto você se pergunta onde está,Onde está, onde está
É você que levará seu amor
Por cem mil caminhos,
Porque nunca tem fim a viagem,
Mesmo se acaba um sonho;
É você que traz um vento novo nos braços,
Enquanto vem me encontrar
E aprenderá que para morrer
Bastará um por-do-sol.
Numa alegria que faz mais mal que a tristeza,
E qualquer tarde dessas encontrará você
Não se desperdice
E não deixe passar um dia
Para descobrir a si próprio
Filho de um céu tão belo
Porque a vida é agora."

11 de abril de 2006

Não posso aparecer para ti
e nada posso te pedir..
somente confessar
que teu corpo acendeu em meu corpo
um desejo urgente e louco
de virar água bem no meio do teu fogo
e de sentir a terra evaporar...
Sou frágil como uma flor..
Sou livre como uma borboleta
Sou linda como a brisa da manhã
Sou um pouco de cada coisa
Sou feita de carinho
Sou o belo e o feio
Sou perfeita e sem conserto
Sou apenas alguém que sonha
Sou aquela garota mimada
Sou a mulher mais desejada
Sou simplismente eu por inteiro
Sou o tudo e o nada
Sou o mais e o menos
Sou águas passadas
Sou alguém que quer ser feliz..
Sou aquela pessoa especial
Sou aquela menina legal
Que chora, ri, pensa e engana...
Sou tudo que você ama..

10/04/1993 (isso mesmo..tinha apenas 11 anos..)
Aparece logo..
pois sua menina está perdendo a graça dos olhos,
a beleza dos lábios
as curvas do corpo...
Aparece!
Para que possamos descobrir
perplexos...
as coisas pequenas
tão visivéis
que somente juntos podemos ver...
Olhar-te rubra
Aspirar teu ar
Sonhar, tocar-te
Seduzir-te
Rir...

Soprar-te aromas
Deixar-se sonhar
inebriar-te
abrir-se
Florir...

Morrer de amar-te
deixar-se matar
Ser Julieta
Ofélia
Afrodite..

9 de abril de 2006

Tanto tempo...
nem me lembro como tudo isso começou
na verdade...apenas uma vontade imensa de fazer valer
uma vontade de ser diferente do que sou
mas isso não é assim
ninguém pode fugir do que é...
e não pude..
Não pude amar meu rosto...meus olhos no reflexo daquele velho espelho
Desculpe..meu jeito intenso de ser...
um dia tinha que aparecer..

6 de abril de 2006

imagine...
é tão natural
que hoje esqueci
meu remédio
pra dor...

("eu trocaria a eternidade...por essa noite")

5 de abril de 2006

e do meu silêncio..
eis que surge...você...
quanta supresa cabe em seu sorriso?
quanta alegria cabe em meu olhar...
e juro...não jurar..
e juro não desviar..
nunca mais...o meu olhar

4 de abril de 2006

"Somos Somente a fotografia.
Dois navegantes perdidos no cais
Distantes demais...
Somos instantes, palavras, poesia
Dois delirantes ficando reais.
Distantes demais...
Noites de sol, loucos de amar
Quem poderia nos alcançar.
Eu e você, sem perceber, fomos ficando iguais.
Longe...
Distantes demais.."
(Lenine)
"Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta.
Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios,daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice. Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos,nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.''
(Oscar Wilde)

2 de abril de 2006

Quando o que doi mais é a indeferença
minhas feridas se calam...