30 de dezembro de 2010

Romance

O perfume, romance.
A boca vermelha, cálida
contrastando com os profundos olhos castanhos, escuros e tristes
Pele pálida
uns dois tons mais claro que a sua pele repleta de cores, que se entrelaça
observada pelo espelho redondo ou oval, preso no teto.
Meus olhos, famintos...percorrem todo o teu corpo
Te observa falar, sem nada ouvir
Apenas observa sua expressão, sua boca semi aberta, sorrindo, ou quando você passa os dentes sob o lábio inferior.
O perfume, seu sexo.
Desperta em mim ainda mais desejo...
pelas suas palavras mudas, teus suspiros, o que me diz e não podes repetir em outros contextos, seus filmes..música, textos.
Seu carinho.
Deitar nas suas costas...falar doce e baixinho
sentir o seu arrepio na ponta dos meus dedos...
E quando o amanhã chegar...vencer seus medos!

27 de dezembro de 2010

Sempre no fim do ano...

Leio nos seus lábios as palavras que marejam meus olhos...

Leio nos seus olhos outro mundo a minha espera

me confundo..

Me fundo a você em um movimento delicadamente forte

me desmancho, deságuo...desidrato

Falo palavras sussurradas que só você entende

E me entende...me espera e me deixa

Eu sofro, morro e tento reviver para mais um dia sem você!

6 de dezembro de 2010

Para os seus olhos

Seus olhos me perseguem por toda a sala
vazia
tento disfarçar que não noto
em vão
Seus olhos sorriem quando cruzam com os meus
e eu quase digo...o que pretendes?
Depois compreendo
a sua pressa
a sua presa
sou eu!
Nos despedimos, e seus olhos continuam
sorrindo!

9 de novembro de 2010


Depois de tanto tempo distante do mundo real
Me aproximo e constato...
O suor do sexo, salgado
A boca amarga de saudade
O sorriso falso, na despedida
A aflição de não ser a escolhida...
O desejo de não ter vontade,
...controlar a ansiedade
A dor de toda partida!

20 de maio de 2010


Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.
Os Ombros Suportam o Mundo

Carlos Drummond de Andrade

5 de maio de 2010

Quando a música diz tudo...




"Após nove ou dez conhaques
Acordei qual uma flor
Sem Engov nem ataques
Nem senti tremor


Homem sempre me aparece
Geralmente bem me dou
Mas um meia boca desses
Me desconcertou

Tinindo estou, curtindo estou
Criança chorando e sorrindo estou
Inquieta, tonta e encantada estou

Sem dormir, não tem dormir
O amor vem e diz: não convém dormir
Inquieta, tonta e encantada estou

Me perdi dominada e daí errei sim
Ele é uma piada, piada solta em mim
Ele é o fim e até o fim
Vou tê-lo para vê-lo com fé no fim

Inquieto, tonto e encantado também
Vi demais, vivi demais
Mas hoje eu já adolesci demais
Inquieta, tonta e encantada estou

Niná-lo eu vou, no embalo eu vou
Um dia na pele grudado eu vou
Inquieta, tonta e encantada estou

Ao falar ele sente travação, timidez
Mas horizontalmente, falando ele é dez
Perplexa e fim, conexo enfim
Com graças a Deus muito sexo em fim
Inquieta, tonta e encantada estou

Ele é tolo, mas um tolo
O seu charme às vezes tem
Em seus braços eu me enrolo
Que nem um neném

Caso é aquela coisa louca
Nem dormindo eu estou
Desde que esse meia boca
Me desconsertou...

Sensata enfim, constato enfim
Sua baixa estatura de fato enfim
Inquieta, tonta e encantada não mais

Doeu demais, rendeu demais
Você ganhou muito e perdeu demais
Inquieta, tonta e encantada não mais

Tive um surto dispéctico
Mas viver já não dói
Tenho peito antiséptico
Desde que você se foi

Romance, finis
Sem chance, finis
Calor a invadir o meu colã, finis
Inquieta, tonta e encantada não mais"

(Maria Rita - Encantada)
Composição: Richards Rodgers / Lorenz Hart (Versão: Carlos Rennã)

21 de janeiro de 2010


Às vezes,
à tarde,
você surge.
E tudo pára, por um instante.
Às vezes,
Ao caminhar
Sinto-me só...
E tudo fica longe, distante.
Por vezes
Ao me deitar
Você ressurge.
E tudo roda... gigante.
Frio na barriga,
de solidão.
Às vezes,
Ao acordar
A saudade urge,
E você não é mais, amante.
Respiro fundo,
E corro o mundo
Na minha cama.