28 de junho de 2011

Há um mês sai de casa
Não fechei a porta
Não olhei em volta
Não achei resposta
Não pedi



Há um mês deixei o certo
Me joguei na estrada
Não medi
Me coloquei em suas mãos
E, sem saber seu nome

Sua história

Te amei

Há um mês mudei de mundo

Percebo cores
Aromas

Sabores

Tudo em volta tem sentido
Sem ter

Há um mês o que eu quero
Tem um nome

E ele bastaria para calar
toda a dor
Da vida inteira sem tê-lo


Quisera eu poder
Seguir esse caminho
Abandonar meus medos
Ah! Adoraváveis medos
Que há anos cultivo, em segredo

Quisera eu poder dizê-los
em voz alta
Para dissipar com o vento
o nó no meu peito


Há um mês me conheço
Há um mês me percebo...
Completamente entregue
Ao seu desejo.