2 de dezembro de 2014


Conhecer você foi um misto de mágica e sonho...
Daqueles que só se sonha uma vez e torcemos repetir
Infinitamente
Em um movimento leve para direita meus dedos localizaram você
Você me pareceu familiar e me fez sorrir
Ainda sim, tive que esperar quase 24 horas para 
Sentir o toque a sua pele
Ah! Se soubéssemos! 
Conversamos por horas, até quase o dia raiar
A lembrança da minha mão no seu rosto
Me arranca um sorriso suave...
E novamente você me fez esperar
E fez o tempo parar, de repente
Só eu, você e a rua.
O beijo no táxi.
Suas mãos sob o meu vestido
na sua imensa varanda
o percurso até o quarto
Tudo parecia estranho e familiar
E em um piscar de olhos
éramos uma coisa só
DESEJO
Insaciável desejo...
Nos consumindo todos os minutos antes de o tempo acabar
E não saciado ...
Mesmo agora, tempos depois, ainda sinto sua mão me tocar.

13 de agosto de 2014

Antes de amanhecer



Nada antes experimentado se assemelha
A dor cortante das horas na madrugada
Gritando aos meus ouvidos a mensagem 
Indesejada...
Engraçado como percebemos a cor das horas
que se arrastam lentamente depois que o sol se põe
Indesejavelmente lentas.
Arrumo delicadamente as almofadas, me acomodo
Reviro tudo de fora...e de dentro..
e nada...somente o nada...indesejado nada.
Engraçado como percebemos a cor do nada
que preenche tudo o que não foi anteriormente preenchido por algo.
O nada me faz companhia agora.
Eu sinto seu peso, sua cor e seu cheiro que perpassam por entre os meus dedos...
Cheios de nada.
Eu sempre pensei que solidão fosse uma espécie de saudade..
Mas, não...a solidão é o nada 
Te lembrando em todas as longas horas da madrugada...

Que você nada mais é, do que indesejada.